Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Janeiro, 2010

Nó mudo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

vai

encontra o sinal

rema como quem chora

diz

como se nada houvesse

pousa nesse ramo alto onde sorris

luta agora

sente o sabor do sal

dessa lágrima que cai

na brisa que amanhece

<

na terra onde cresce a raiz

onde a vida se torna pó

serás uma alma feliz

onde ninguém sente dó

Read Full Post »

Cruzamento

não basta sorrir

para ter um espaço

não basta errar

para ser diferente

há que seguir

um outro compasso

ter coragem e voar

numa outra corrente

Read Full Post »

Sequente

já senti a vida como água

corrente

e numa curva do caminho

ambígua

escolhi o seco e não a semente

sozinho

¨

breve trecho

suave ciúme

em frio lume

a água deixo

Read Full Post »

Fermento

na água tépida

mergulho as sombras

da indiferença

para fazer crescer lentamente

a cicatrização da vergonha perdida

misturando frases que não lembras

guardo algo que não me pertença

rasgos de paixão ausente

Read Full Post »

E porque amanhã é 5ª…

e não vai haver tempo para pausas…. the dream is on!

Read Full Post »

Tradições

Ontem, dia de reis, lá cumpri a tradição de comer uma romã e guardar a coroa para, segundo os mais velhos, ter dinheiro o resto do ano.

Para começar e fugindo à ‘previsão’ – pelo lado positivo – recebi hoje a notícia que fui admitido numa empresa nacional de grande prestígio para começar a trabalhar na próxima segunda-feira, dia 11. Depois de alguns dias de incerteza, quanto à forma como tinha decorrido a entrevista no final de 2009, a tradição parece ter dado alguns frutos :).

É sempre bom contar também com opiniões e incentivos de outros, que nos fazem ver e sentir que as coisas terão o seu curso, indo a justeza prevalecer.

Mais uma vez, bom ano para todos.

Read Full Post »

Cal suja

remar para longe da margem

sem rumo

ou fio de prumo

desalinhado da desfocada imagem

velha parede caiada

protegida pelo beiral

rugas, gretas no final

gasta e pelo sol queimada

ali bem perto

uma porta e uma janela

num sonho de barco à vela

onde? não se sabe ao certo

neste rio sereno

a vaga não sobe e desce

nem o vento se mexe

navego em palha e feno

Read Full Post »

Older Posts »