Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Março, 2010

Marco T30

¨

há uma fronteira

entre a sombra e a indiferença

cada um chega lá à sua maneira

vivendo ou definhando de forma intensa

>

para quê pintar e destruir a tela

num esforço criar a simplicidade

e depois ter medo de ir à janela

deixar entrar o ar e a vaidade

>

a expressão tudo diz

por detrás de cada olhar inocente

há apenas o que nunca quiz

mas para lá do risco é tudo diferente

Anúncios

Read Full Post »

SONETO LXXVI

SONETO LXXVI


Porque de orgulho são tão nus meus versos,

tão limpos de contraste e mudanças?

Porque, com o tempo, não vão sendo imersos

em novo estilo e estranhas esquivanças?


Porque escrevo eu sempre tão igual ao que era,

mantendo-me fiel ao que inventei,

que cada termo é como se dissera

quanto de mim procede que o gerei?


Que é só de ti, meu doce amor, que escrevo

contigo e Amor aos devaneios basto;

e o meu saber de poeta é este enlevo


de ainda outra vez gastar o que está gasto.

Tal como o Sol é novo cada dia,

assim do Amor eu digo o que dizia.


In “Poemas de Amor” – Versões Ana Leal

Edição Alma Azul

William Shakespeare

Read Full Post »

au_sente

soubera eu partir

pudera eu sentir

ficaria sozinho no céu imenso

sentiria um calor intenso

mas nem sempre a verdade magoa

quando o frio na alma destoa

Read Full Post »

contrição

Surgem as palavras por arrasto do momento. Arquitecta-se algo com base e estrutura – esquecendo a nota escrita, não por falta de artes e engenhos, mas apenas pelo prazer intrínseco do florescer.

Ir mais além, construir com encargo, não é obra que se anseie – é um horizonte vertical, feito de bolas de sabão

Quando não se quer único nem mágico

Read Full Post »

Marca-dor

I know nothing in the world that has as much power as a word. Sometimes I write one, and I look at it, until it begins to shine.

Emily Dickinson

Read Full Post »

espero o meu companheiro vento

para me levar para longe das emoções

voando ao sabor da sua voz

ouço a melodia sem lamento

guardadas que estão todas as paixões

na tristeza soberana que há em nós

¨

quando me deixas cair

sou um leve abraço colorido

que nada seja senão uma lembrança

da luz que há nesse sorrir

tudo o mais já não faz sentido

morta que foi toda a esperança

Read Full Post »

num dia qualquer

não haverá medo nas palavras

feitas em gotas de prazer

saindo brancas e seguras

.

descobres uma expressão conhecida

nesta gasta e branca face

e insistes na mão estendida

como se a Primavera chegasse

.

guarda essa flor selvagem

até que a cor esvaneça

não vejas nela a imagem

do mérito que não mereça

Read Full Post »

Older Posts »