Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Julho, 2015

não há espaço
onde conter juízos determinados
piões sem corda
faz-se silêncio na horda
choram os soldados
não há braços para o abraço
ninguém diz que é feliz
se a rotina é uma cortina

Posted from WordPress for Android

Read Full Post »

A poesia não se entrega a quem a define.”
Mário Quintana

 

se te debates com a multidão

essa que vive à sombra do presente

da responsabilidade ausente

(que importa o não?)

esse frágil momento de luxúria

perdido na luz efémera duma estrela cadente

ou num qualquer eco colorido e quente

lágrimas de frustração e fúria

falha a razão

amanhã se verá

o âmago da questão

ou de tanta vaidade que em ti não há

Read Full Post »

Ganges Boatman Image, India.

Read Full Post »

I saw the crescent

http://apod.nasa.gov/apod/ap150720.html via #NASA_APP

Posted from WordPress for Android

Read Full Post »

o fácil é tentação
o difícil é tentativa
nem sim nem não
mergulhar e sorrir à deriva
mestre sem arte
triunfo sem trunfo
de tanto uma parte

a minha casa é uma caverna fria
sombria
ouço o sossego
agarro o silêncio sem apego
e nessa cinzenta nudez
vinga a cada noite a mudez

Posted from WordPress for Android

Read Full Post »

Dia de ir e voltar

a atitude mortiça
um dia tem retorno
maldita preguiça
num fim de tarde morno
já é tempo da fresca brisa
de mudar de camisa
ver as estrelas
ouvir o piar da coruja
se não quiseres vê-las
terás sempre a vida suja
e nem a virtude precisa
deve ser uma fé tão lisa

Posted from WordPress for Android

Read Full Post »

Contraste

Encontro-me com as nuvens na noite estrelada

Como que sentindo uma rigidez flácida

Por breves instantes uma sombra iluminada

Em passo rápido por uma estrada plácida

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Diria bastante o silêncio

Como uma trovoada seca distante

Um cometa pequeno

Viajando no ócio

Uma réstia seca de frio cortante

Um fechar de olhos, lento e sereno

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Não é aquilo que era

Não tem algo que tinha

Uma onda que pela morte não espera

Cresce no mar alto e navega sozinha

E toda a energia que gera

Dá-me a paz que queria minha

Numa noite de Primavera

Num amanhecer que se avizinha

Read Full Post »

Older Posts »