Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Interior’

Photo on Visual Hunt

há sempre um suspiro perdido no peito

uma andorinha sem jeito

em busca da Primavera

há sempre algo no fundo duma arca

uma paixão parca

que um dia foi sincera

e depois vem a ventania

um por-do-sol no fim do dia

e uma lágrima que se encontra na memória

e um ombro amigo para ouvir a história

Read Full Post »

ser nada para lá da escuridão

o que se busca é apenas sentir

o vazio

o sonho sem paixão

e tudo o que nunca há-de vir

num abraço ténue e macio

Read Full Post »

tree-fog-forest-nature-landscape-mist-light

Photo on Visualhunt

 

leaving all the light behind

out of sight

out of mind

when the dark has no meaning

all the letters are lost

and the spiders are singing

their song in the mist

where the hands got blind

Read Full Post »

Sweet Potato Vine

de tudo o que se veste o passado

jaz e traz escuridão

desbotado

onde renasce a tua mão

¨¨¨¨¨¨¨¨

e no silêncio onde me escondo

não há cor nem contraste

será sempre redondo

o espaço que deixaste

¨¨¨¨¨¨

encontrar as palavras e as memórias doces

numa pausa embriagada

não é nada

é apenas a estrada

onde eu ia se tu fosses

Read Full Post »

 

black-and-white-image-of-stump-cross-section

Photo via on VisualHunt.com

 

rivers to cross, numbers to forget, something to quit, face to wet, eyes to close, circles to break, errors to take, nights to wake.

another shot on a grey day, so many pains to dry and no stars in the sky…

let it burn, out!

 

Read Full Post »

owl-bird-tree-nocturnal-perched-predator-avian

Photo on Visual Hunt

já lá vai o dia

e nem sempre se promete

nem jura

com lágrimas de alegria

pois só o eco repete

a saudade que nunca dura

¨¨¨¨¨¨¨¨

sentado

perdi a noção e a paixão

que um dia voará a meu lado

 

Read Full Post »

sentado em silêncio, viro as costas ao infinito, donde nada trouxe.

continuar… esse desígnio tão linear, pleno de caminhos, de lágrimas, de sorrisos, de palavras inéditas, de livros fechados, de memórias. entende o entretanto inexplicável, pois breve é alegria material, nas cinzas da lareira apagada.

os laços já são apenas traços, diminuídos pelo vento e pela chuva. concedo o abraço da despedida.

Read Full Post »

Older Posts »