Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Venenos’

Claimer

de que servem as visitas e vistas sem nada para trocar? vocês que carregam num botão ou tecla só por que há um quê que vos toca, um reflexo que imaginam, uma interpretação que não pretendem: não me entendam, não me sigam, não se enfatizem, não sejam um número, sejam ausentes no meu silêncio…

visitas fazem-se onde o passado se perdoa, onde o azedo se torna doce e a paixão se dilui no sarcasmo opaco!

Anúncios

Read Full Post »

step-rails-staircase

Photo via Visual hunt

um copo de vinho

para encontrar o caminho

um copo de água

para esquecer a mágoa

um passo em falso

cada degrau é demais

levanta-te, ou um dia cais

Read Full Post »

escada

11188709176_4d5afeede7_c

Photo credit: Stanley Zimny (Thank You for 16 Million views) via Visualhunt.com / CC BY-NC

imenso é o espelho onde o silêncio reflecte

degraus gastos

sentimentos nefastos

lábios secos, puros e castos

e essas palavras repetidas todos os dias

as mãos vazias

sem valor de frete

Read Full Post »

Fel

quem dera que o pó cobrisse as entranhas do medo

esse medo que ri

e que encontra moedas gastas debaixo das pedras polidas

ontem parecia o fim da muralha ancestral

de tantos anos de amargura

amargura mestre de armas rombas

mas de novo os duendes pobres manifestaram a sua indiferença

diferente de tudo o que sobra ao final do dia

um encontro entre o nada e o vazio

remédio insano

verdade crua

lágrima nua

Read Full Post »

essa estrada
amarga
que o tempo deixou marcada
memória sem carga
para quê sofrer tantos anos
cada dia um sacrifício
viver de enganos
apenas desdenhar do início
sigo atrás de tudo o que me diz
a razão
a emoção
a ilusão
a dedicação
ninguém me deu o que quis
nesse impulso que não fere
a alma quer
ainda que alguém chore
e o coração pare
até esta estrada ser a tua
ficarei na berma à luz da lua

Posted from WordPress for Android

Read Full Post »

Embargo

se não entendes a minha vida
nunca entenderás a minha morte
pois levarei a minha sorte
a minha poesia esquecida
e no meio das folhas
que caem no Outono
das árvores
nunca jures
nunca sejas dono
da verdade e das escolhas
a minha fé é apenas isso
uma mão fechada
um esquisso
uma longa estrada

Posted from WordPress for Android

Read Full Post »

Justo

(…)
coma
a soma
de tanta carga justa
custa
e é indesejo
bocejo
partilha díspar
remorso de par em par
não digas
não sigas
ideias antigas
(…)
passo a passo
grão a grão
virá tarde o abraço
veio cedo a solidão
(…)
e só a lua me sorri
e só o mármore frio me escuta
e só a tua alma me perdoa
ainda que doa
a luta
e a paixão onde morri
a custo
combate injusto

Posted from WordPress for Android

Read Full Post »

Older Posts »